Domingo, 17 de Novembro de 2019

Com a valorização das moedas virtuais, como bitcoin e Ethereum, o interesse em minerar tem crescido no mundo e o efeito prático disso é alta procura de placas de vídeo para realizar o trabalho pesado.

Enquanto Nvidia e AMD não revelam processadores específicos para esse tipo de aplicação, fabricantes de placas têm adaptado GPUs atuais das duas marcas em placas gráficas destinadas ao uso em mineração. A Asus, por exemplo, anunciou dois modelos (uma AMD e outra Nvidia), ainda sem data de disponibilidade e preços confirmados.

Asus criou modelos com processadores da AMD e da Nvidia para o mercado de bitcoins (Foto: Divulgação/Asus)

Asus criou modelos com processadores da AMD e da Nvidia para o mercado de bitcoins (Foto: Divulgação/Asus)

Placas de vídeo são construídas em torno de uma GPU (ou processador gráfico) que se destaca por ser um circuito eletrônico extremamente especializado em processamento paralelo: ou seja, uma GPU é ótima escolha para dar conta de tarefas que requeiram um grande volume de operações simultâneas. Um exemplo típico disso é a exploração das moedas digitais, como o bitcoin.

Por conta disso, quem busca investir pesado em bitcoins e similares acaba comprando placas de vídeo para dar conta desse tipo de trabalho com maior eficiência. Com a valorização recente de diversas moedas digitais, a busca pelas placas aumentou a um ponto em que Asus, Colorful e Sapphire decidiram adaptar GPUs de AMD e Nvidia para a tarefa.

Aplicativo do TechTudo: receba as melhores dicas e últimas notícias no seu celular

No caso da Asus há mais informações sobre o hardware. A Mining RX 470 4G oferece uma versão da AMD Polaris para mineração, enqua

... nto que a Mining P106 6G conta com a GTX 1060. Curioso, no caso da GTX 1060 é que a placa simplesmente não tem nenhuma porta: é impossível liga-la a um monitor, portanto. A Sapphire tem cinco modelos listados, todos com processadores AMD.
Como a imagem avisa, a placa com chip Nvidia não tem saída de vídeo (Foto: Divulgação/Asus)

Como a imagem avisa, a placa com chip Nvidia não tem saída de vídeo (Foto: Divulgação/Asus)

Outra especificidade importante da placa de vídeo para mineração é a exigência de alta durabilidade. O processo de exploração das moedas digitais só faz sentido numa lógica em que o equipamento fica ligado 24 horas por dia, sete dias por semana, normalmente em estado de alta demanda de processamento. Isso expõe os componentes eletrônicos da placa a um estresse muito mais alto e pode comprometer a durabilidade do conjunto no médio prazo.

Chromebook Samsung ou Acer: qual a melhor opção? Comente no Fórum do TechTudo



>>> Veja o artigo completo no TechTudo